NOSSOS ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO - TAIS LUSO DE CARVALHO

NOSSOS ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO 
-Tais Luso de Carvalho

Estou aqui, sentada em frente ao monitor, escutando Soy Como Toda Mujer - de Maria Martha Serra Lima – e sinto que certas músicas me emocionam. Meu objetivo era desenrolar o assunto sobre os animais por outro ângulo, indo por outros caminhos, mas estou mudando de rumo. Talvez a música esteja me fazendo pensar mais com o coração; e esteja me dando mais indícios para entender a alma humana, tão complicada, quase indecifrável.

Só posso ver a dimensão da bondade de um ser humano se olhar como este ser humano trata os animais. Aqueles seres, de coração duro e de alma fechada, que se sentem mal ao afagar um cachorrinho ou gato, que acham que aqueles que lutam pelos direitos dos animais não passam de babacas... Bem, estes não precisam ler este texto; este texto é para aqueles que amam, que curtem e que cuidam dos outros seres que habitam este planeta.

Em geral, quem tem um animal de estimação tem para onde canalizar afetos e vários sentimentos. Têm um companheiro fiel.  Amar não tem limite: ama-se as pessoas, ama-seanimais, ama-se plantas. Somos uma espécie que herda tudo de bom e tudo de ruim de nossos pais, avós e do meio em que vivemos.

Os outros seres não nos ofendem, muitas vezes nos mostram o quanto nós, os humanos, somos mal resolvidos ou mal intencionados. Eles matam para comer; nossa espécie mata por prazer, por maldade, por ambição, por doença mental.

Muitos idosos no fim de suas vidas são agraciados com um único conforto, um animalzinho de estimação. Muitos deles, abandonados por não terem mais o que oferecer, encontram nestes frágeis animais o seu mais forte amparo. Estão ali, junto a eles, aos seus pés ou ao lado de sua cama. Só pedem afago e comida, nada mais. E dão em troca um amor imenso. E nesta troca é que notamos a importância deles em nossas vidas.

Vejo como é difícil viver e se equilibrar num mundo cheio de arrogância, egoísmo, doença, crueldade, mentira, hipocrisia, carências e falcatruas. Quando pensamos em amizade e amor, muitas vezes somos traídos por aqueles que estão bem próximos.

Não dá pra ser muito feliz, se somos tachados de loucos por sermos diferentes; se somos tachados de intrometidos por tentarmos ajudar os outros; se somos tachados de egoístas por cuidarmos da nossa vida; se somos tachados de displicentes por levarmos a vida com mais leveza; se recebemos o rótulo de egoístas e malucos por abrigarmos dezenas de animais em algum terreno doado - contando com ajuda de particulares.

Não dá pra ser muito feliz, se para sermos amigo temos de ser cúmplices de atos ilícitos ou emprestar nossos ouvidos para servirem de receptáculo, apenas. Amizade é troca de afeto, é respeito e solidariedade. É chegar na hora certa. Até ficar calado - pois silêncio não magoa. Em certos momentos é bom ter um ombro amigo, silencioso. Mas isso é difícil. 

E eu aqui, escutando esta linda música, abro minha alma na ânsia de obter respostas para uma vida tão efêmera... E para onde irei quando minha alma deixar sua morada? Ah, se eu soubesse a resposta....

Não dá pra sermos muito felizes, se vivemos insatisfeitos; convivemos com a violência gratuita e com a falta de perspectivas. Muitas vezes ficamos estarrecidos nas ruas e nada fazemos por medo de represália. Vivemos um caos: matamos pelo simples ato de matar; vivemos numa sociedade de revoltados cujas causas sociais são visíveis, e, infelizmente, para nós, insolúveis.
Temos momentos de felicidade.

Olho para o tapete: ao pé de minha cadeira está meu amigo dormindo... Eu preciso de silêncio, e ele me dá. Levanto-me e ele me segue. 
Sinto-me feliz; ele também está feliz. Este é um dos momentos...

Fonte:http://taisluso.blogspot.com.br/2011/05/nossos-animais-de-estimacao.html


Postagens mais visitadas deste blog

NÃO SEI QUANTAS ALMAS TENHO - FERNANDO PESSOA

TODAS AS FORMAS DE AMAR - RENATA CIBELE LIMA

O MAGO E "A ESPIÂ" - LIVRO EM LANÇAMENTO MUNDIAL DO ESCRITOR PAULO COELHO