Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2015

OS PENSAMENTOS CONVERSAM QUANDO PARAMOS DE OUVÍ-LOS - CARPINEJAR

Imagem
Há uma necessidade cultural de chamar para se divertir um filho que lê um livro no quarto. Será que aquilo também não é diversão? Escutei muito: "Vá brincar lá fora, tem sol". Dentro não pode ter sol?Duvido, sim, dos que não ficam um pouco em si, mergulhados, imersos, centrados, costurando as palavras com os cílios da agulha, tramando uma figura no pano de prato, uma figura que nunca terá legenda. Os pensamentos conversam quando paramos de ouví-los.
Carpinejar

O SOM DO SILÊNCIO - LUIZ CARLOS LISBOA

Imagem
O som do silêncio, Luiz Carlos Lisboa
Os lugares que frequentamos e as pessoas que estão à nossa volta vão ficando invisíveis com o passar do tempo. Aos poucos, nossa atenção encontra novos alvos e a paisagem some, como somem os rostos e a realidade particular de cada um, até que não reste quase nada. E, no entanto, estão todos vivos a nosso lado, e o sol se põe de um modo que um dia nos pareceu tão bonito, e aquela mulher canta de um jeito que antes nos fascinava tanto. Esse mundo querido ficou invisível para nós porque nos acostumamos com ele – e acostumar-se quer dizer não mais notar, não ouvir e talvez amar um pouco menos. Mas toda a beleza perdida aparece outra vez quando abrimos os olhos e vemos tudo de novo – como da primeira vez.
Luiz Carlos Lisboa, “O som do silêncio”, Editora Verus, página 79.
(Rio de Janeiro, 22 de dezembro de 1929) é um escritor e jornalista brasileiro (Jornal do Brasil e O Estado de S.Paulo).

Autor de cerca de 40 obras, entre ensaios, contos, uma trilogia (ro…

LOUCOS E SANTOS - OSCAR WILDE

Imagem
Loucos e santos, Oscar Wilde
Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila. Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante.
A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos. Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo. Deles não quero resposta, quero meu avesso. Que me tragam dúvidas e angústias e aguentem o que há de pior em mim. Para isso, só sendo louco! Quero os santos, para que não duvidem das diferenças e peçam perdão pelas injustiças. Escolho meus amigos pela alma lavada e pela cara exposta. Não quero só o ombro e o colo, quero também sua maior alegria. Amigo que não ri junto, não sabe sofrer junto. Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade. Não quero risos previsíveis, nem choros piedosos. Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça. Não quero amigos adultos nem chatos. Quero-os metade infância e outra metade velhice! Cri…

NOSSOS ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO - TAIS LUSO DE CARVALHO

Imagem
NOSSOS ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO -Tais Luso de Carvalho
Estou aqui, sentada em frente ao monitor, escutando Soy Como Toda Mujer - de Maria Martha Serra Lima – e sinto que certas músicas me emocionam. Meu objetivo era desenrolar o assunto sobre os animais por outro ângulo, indo por outros caminhos, mas estou mudando de rumo. Talvez a música esteja me fazendo pensar mais com o coração; e esteja me dando mais indícios para entender a alma humana, tão complicada, quase indecifrável.
Só posso ver a dimensão da bondade de um ser humano se olhar como este ser humano trata os animais. Aqueles seres, de coração duro e de alma fechada, que se sentem mal ao afagar um cachorrinho ou gato, que acham que aqueles que lutam pelos direitos dos animais não passam de babacas... Bem, estes não precisam ler este texto; este texto é para aqueles que amam, que curtem e que cuidam dos outros seres que habitam este planeta.
Em geral, quem tem um animal de estimação tem para onde canalizar afetos e vários sentimentos. …

RUMI : O AMOR SENSUAL E DEVOÇÃO PELO AMADO

Imagem
O beijo, a icônica e erótica obra-prima de Gustav Klimt, feita em 1908Rumi: amor sensual e devoção pelo amado"Que o amado se desgrace, seja louco, perca a cabeça. // Um sóbrio se preocuparia com um final infeliz. Que o amado seja o que é."
Fonte:http://www.papodehomem.com.br/rumi-amor-sensual-e-devocao-pelo-amado?
De nossa perspectiva pode parecer extraordinário que o amor seja, em tantos aspectos, uma invenção cultural.

É claro que animais praticam coisas que podemos descrever como amor, ainda que em geral, no que concerne à sexualidade, costumeiramente separemos aquela atividade dita “instintiva” de nossos ideais mais propriamente humanos, e assim por diante. Pode ser especismo, mas também separamos em nós mesmos a atividade mais instintiva daquela que tem significado, e as reconhecemos distintas. Chegamos ao ponto de imputar a inexistência de um fator puramente determinístico na relação filial de mamíferos: é tudo oxitocina, “gene egoísta”, o escambau. São os bichos – e hoje c…